segunda-feira, 19 de junho de 2017

Ilações de uma catástrofe (IV)

É nestes momentos que sinto o poder do comando da televisão. Vão rareando os repórteres que sabem conjugar a sobriedade, o vocabulário simples, a capacidade de informar. E há canais que não nos sabem respeitar (e nós próprios não nos damos ao respeito, dirão as audiências).
Abomino a exploração do desespero de quem está em sofrimento. Abomino a exploração da simplicidade e menor sofisticação das pessoas. Abomino a exploração da desgraça pervertida em espectáculo.

Ao menos tenho o comando.

#Saladeestar