quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Em 2. lugar do ranking para viver ...


Sim, eu babo. Se me tivessem perguntado eu talvez tivesse exagerado ainda mais. Claro que é a melhor cidade do mundo. Para viver. Para crescer. Para ser feliz.
E agora até acrescentamos essa coisa tão pouco nossa – mas tão comovente – de a sentirmos melhor do que antes (libertámo-nos heroicamente do «antes é que era»).

Eu, por acaso, digo dela o que nunca lhe ouvi dizer. Não há lugar no mundo que faça de um qualquer fotógrafo amador uma espécie de Picasso da fotografia (um Cartier-Bresson, para os entendidos). O Porto até isso faz. Faz faz.

#Salaodevisitas