terça-feira, 5 de setembro de 2017

Pela «democratização» da tensão social

A indignação gerada pela primeira greve na história da Autoeuropa tanto colhe na simples aversão à greve (ao acto de fazer greve e não propriamente ao direito à greve) – que é quase ideológica e de princípio –, como colhe na sensação de que não assiste razão aos trabalhadores (as condições aparentemente apelativas que lhes estavam a ser propostas não permitem aquela «comunhão» que costumamos dedicar ao lado mais fraco em qualquer conflito). Talvez seja de aproveitar o caso da Autoeuropa para olhar com outros olhos para o fenómeno da «tensão social».

Eu, por acaso, tenho pena (chego a experimentar um certo sentimento de culpa) que olhemos para os fenómenos de tensão social nas empresas primeiro como um estigma e, depois, como mais uma trincheira de disputa política esquerda/direita. Por muito que possa parecer estranho (que não é nem deve ser), eu olho para a «tensão social» entre os trabalhadores e a gestão das empresas não apenas com naturalidade mas especialmente como uma necessidade. O equilíbrio e a justiça devem presidir à paz social, sob pena de ser podre e iniqua. E esse equilíbrio depende da força que cada «lado» dispuser para se fazer respeitar. Não será sempre assim, naturalmente. Há gestores que antecipam e praticam por sua iniciativa esse equilíbrio. E o mesmo se deve dizer a respeito dos trabalhadores. A dita «tensão» é, no entanto e especialmente, necessária para quando não há essa «iniciativa» (e não é preciso muito, basta desconfiar da ganância própria da natureza humana).


O problema do caso específico português está na circunstância de a esmagadora maioria das pessoas se ter demitido da «tensão social». Por estigma e preconceito, a participação e a legítima representação dos trabalhadores está, assim, livremente entregue a quem dela não se demite. Claro que há outras especificidades, como seja a promiscuidade entre o PCP e a principal confederação de sindicatos (no que isso significa de subversão dos interesses dos trabalhadores e de instrumentalização da própria «tensão social»). E claro que há um lastro denso, de muitos anos, de funcionalismo sindical no Estado e nos serviços públicos. Estas condicionantes não nos deviam, todavia, desviar do essencial. E, em primeiro lugar, o essencial é que a tensão social não deve ser estigmatizada. E, em segundo lugar (mas não menos essencial), é que é urgente a democratização da participação (até para ser representativa). Porque nem o trabalho nem a gestão são de esquerda ou de direita.

#Escritório